Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Biblioteca da Inês

A Biblioteca da Inês

Qui | 01.11.18

A propósito de medos...

Inês Martelo

Apesar de tarde, trago-vos uma sugestão de livro para explorar acerca do Halloween, mesmo que não seja tão óbvio a uma primeira vista. Na minha opinião, esta época é bastante propositada para se falar em medos, independentemente de quais sejam eles. Os medos, de adultos ou crianças, devem ser levados bastante a sério, não devendo, por isso, ser um motivo a ser ridicularizado. Porém, não devem passar a ser um tabu, antes pelo contrário. Devemos trabalhar e enfrentas os nossos medos, quando preparados, percebendo que é normal tê-los, mas que, ainda assim, conseguimos encontrar soluções para saber lidar com eles.

Assim, sendo, hoje trago a sugestão de "A Filha do Grufalão", escrito por Júlia Donaldson, ilustrado por Axel Scheffler e da editora Pi.

IMG_20181101_125616.jpg

Adquiri este exemplar na Feira do Livro de Lisboa em 2012 e curiosamente não tenho o primeiro, que se chama simplesmente "O Grufalão", do mesmo autor e ilustrador. Comprei este livro pelos motivos que abordo no início desta publicação, mas também pela minha pequena paixão por personagens como o Grufalão - um monstro peludo e assustador, mas ingénuo e sem maldade.

IMG_20181101_125517.jpg

A Filha do Grufalão, porque é este o seu nome, aventura-se pela floresta, sentindo-se corajosa para enfrentar o desconhecido, reconhecendo alguns dos indícios dos perigos, travando conhecimento com alguns animais, acabando por se deparar, já no final, com o Grande-Rato-Mauzão.

IMG_20181101_125603.jpg

Este é um livro que aconselho para crianças entre os 2 e os 6 anos de idade, devendo se explorado pelas mais novas com apoio de alguém com mais destreza, uma vez que é um livro de espessura fina, não só na capa, como também nas páginas. As ilustrações são de um estilo muito ternurento e expressivo, basta olhar para os olhos do Grufalão quando olha para a filha para o entender.

IMG_20181101_125508.jpg

 Um outro aspeto que me faz adorar este livro é a forma como está escrito (e consequentemente traduzido), uma vez que não se apresenta em formato de poema, mas é todo estruturado em rima.

E vocês por aí? Que livros abordam neste Dia das Bruxas?